Eficiência energética e a digitalização

A eficiência energética está mudando, com novas tecnologias digitais permitindo maior controle, otimização e análise.

A digitalização é definida para transformar o sistema global de energia, com impactos profundos na demanda e no fornecimento de energia. A crescente aplicação das tecnologias de informação e comunicação em toda a economia a descreve, levando a volumes crescentes de dados, rápido progresso em análises avançadas e maior conectividade entre humanos, dispositivos e máquinas (incluindo máquina a máquina).

De sensores em reservatórios de petróleo e gás ao surgimento de veículos automatizados, a digitalização tem implicações significativas em como o mundo produz e consome energia.

O impacto da digitalização no lado da demanda é complexo

Por um lado, os dispositivos digitais oferecem potencialmente grandes melhorias na eficiência energética para os setores de transporte, edifícios e indústria. Por outro lado, a prevalência de mais dispositivos – e servidores para armazenar os dados que eles produzem – pode causar grandes aumentos líquidos no uso de energia, se não for gerenciada com cuidado.

O principal desafio para os formuladores de políticas é orientá-lo de forma a maximizar os benefícios para o sistema de energia e minimizar os impactos negativos.

A digitalização oferece o potencial para aumentar a eficiência energética por meio de tecnologias que reúnem e analisam dados antes de usá-los para fazer alterações no ambiente físico (seja automaticamente ou por meio de intervenção humana).

Tecnologias de coleta de dados, como sensores e medidores inteligentes, coletam dados sobre o uso de energia e outras condições que afetam o uso de energia, como o clima. Os dados são processados em informações úteis por meio de tecnologias de análise de dados, como algoritmos de inteligência artificial. Finalmente, as informações processadas são enviadas para dispositivos que podem efetuar mudanças físicas para otimizar o uso de energia.

Como a digitalização pode melhorar a eficiência por meio de uma combinação de tecnologias

A digitalização pode melhorar a eficiência energética por meio de tecnologias que reúnem e analisam dados para efetuar mudanças reais no uso de energia.

As tecnologias digitais já são amplamente utilizadas em todos os setores de uso final de energia. Cada vez mais edifícios residenciais e comerciais estão equipados com aparelhos inteligentes e sistemas inteligentes de gestão de energia. No setor industrial, robótica avançada e impressão 3D estão se tornando uma prática padrão. A interação entre mobilidade automatizada, conectada, elétrica e compartilhada moldará o consumo futuro de energia no setor de transporte.

As tecnologias digitais têm o potencial de otimizar a energia usada para muitas atividades que consomem energia: desde a construção de um produto industrial até o resfriamento de uma casa. Isso representa um aumento na eficiência energética conforme tradicionalmente definido: Uma redução na energia usada por unidade de atividade. O aumento da eficiência no uso final continua a ser um ingrediente crítico nas transições de energia em todo o mundo, com benefícios tanto nas economias desenvolvidas quanto nas emergentes.

Neste contexto, a flexibilidade do lado da demanda é cada vez mais importante para garantir que o sistema de energia funcione da forma mais eficiente possível, com a energia fornecida quando é necessária e consumida quando está disponível.
A digitalização permite que edifícios, veículos e instalações industriais “inteligentes” forneçam novas fontes de carga flexível ao sistema energético, o que pode ajudar a reduzir o corte de energias renováveis do lado da oferta e apoiar as comunidades a consumir a energia produzida por si próprias, “atrás do medidor”.

Com mais energias renováveis no sistema e mais autoconsumo da comunidade, o resultado final é um sistema de energia mais eficiente, graças à redução das perdas associadas à produção e distribuição de energia.

O poder das tecnologias digitais para melhorar a eficiência do uso final e a eficiência do sistema, em última análise, beneficia o sistema de energia geral por meio de investimentos evitados em infraestrutura de energia (como planta de pico), integração aprimorada de energias renováveis e segurança energética aprimorada, entre outros impactos.

As tecnologias digitais expandem nossa visão de eficiência energética: da eficiência do uso final à eficiência do sistema

Ao oferecer benefícios de uso final e de eficiência do sistema, a digitalização também nos força a reexaminar as percepções de que a eficiência energética e a resposta à demanda estão separadas ou em conflito; a digitalização sugere que é necessária uma perspectiva holística de eficiência energética em todo o sistema, abrangendo tanto a eficiência do uso final tradicional quanto a flexibilidade do lado da demanda.

Nosso trabalho em digitalização e eficiência energética: saiba mais sobre o nosso trabalho em digitalização e eficiência energética. Para obter mais informações, entre em contato conosco em contato@infrasolar.com.br.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *