Bicicletas elétricas reforçam retomada ainda mais acelerada dos veículos elétricos leves após a pandemia

Em 2018, iniciamos um período de revolução dos veículos elétricos ao redor do mundo com o surgimento das patinetes elétricas compartilhadas. Em poucos meses, podíamos ver patinetes elétricas espalhadas pelas ruas das principais cidades do mundo.

“Para a maior parte da população mundial, o primeiro veículo elétrico de uso individual utilizado foi a patinete elétrica compartilhada”. Essa é uma frase que costumo utilizar quando me refiro ao impacto que esse mercado teve na vida de seus usuários. Mas e agora, como será o período pós pandemia?

Na contra mão das empresas de compartilhamento de patinetes elétricas que estão reduzindo suas operações no Brasil, vemos as vendas de bicicletas elétricas dispararem e também o surgimento do serviço de compartilhamento desses veículos.

Por serem mais resistentes, fáceis de serem utilizadas e percorrer maiores distâncias, as bicicletas elétricas apresentam um crescimento de 34% no último triênio e estão em ritmo acelerado na retomada do cotidiano dos brasileiros após a primeira fase da pandemia.

Em 2019 tivemos 25 mil unidades comercializadas no Brasil, já para 2020 o “Estudo inédito, desenvolvido em parceria com o Labmob/UFRJ, coordenado pela Multiplicidade e apoiado pelo Itaú” diz que esse número subirá para 32 mil unidades.

Segurança e qualidade de vida

Diante ao cenário de alta contaminação do novo Corona vírus e a busca pela melhoria da qualidade no deslocamento diário cidadãos brasileiros estão migrando para a utilização de veículos de uso individual. Ainda a respeito da pesquisa mencionada acima foi realizado um estudo inédito com mais de 400 usuários de bicicletas elétricas. Os resultados desta pesquisa apontam uma forte migração do uso do carro para o da bicicleta elétrica: 56% das pessoas que a utilizam para trabalhar ou estudar costumavam se deslocar de automóvel.

Com o crescimento desse mercado também surgem preocupações por parte das prefeituras com relação a equipamentos de segurança, infraestrutura e regulamentação para a utilização desses veículos.

Especialistas em planejamento urbano defendem a utilização da multimodalidade como a melhor maneira para se locomover pelas cidades. Para isso, devemos olhar para o assunto de forma à integrar as rotas de ônibus e metrôs com HUBs de mobilidade pela cidade, oferecendo bicicletários inteligentes que ofereçam recarga para bicicletas elétricas, vestiários, pontos de recarga para carros elétricos e outros serviços que facilitem a vida dos moradores de grandes centros urbanos.

Rumo ao futuro

Durante as últimas décadas, nossas cidades foram planejadas para comportar um grande fluxo de carros sem dar muita atenção para o cidadão em si, porém nos últimos meses estamos sentindo ainda mais essa mudança de comportamento em relação ao uso de veículos e o foco passou a ser no indivíduo que precisa se deslocar do ponto A ao ponto B, chamado como Mobilidade Humana. Junto a isso vemos o surgimento de novas categorias de veículos leves como monociclos elétricos, patinetes elétricas e bicicletas elétricas.

Como fazemos para comportar todas essas pessoas e novas categorias de veículos em um mesmo ecossistema que não está preparado para essa revolução?

Devemos criar infraestrutura adequada para a circulação de veículos de diferentes tamanhos, regulamentação que preveja a multimodalidade como um ponto importante para a qualidade de vida dos cidadãos, desenvolvimento de Infraestrutura inteligente conectada as cidades e captação de dados que influenciem na tomada de decisões de órgãos públicos.

Nesse ponto que entra o papel de startups de tecnologia como a Infra Solar. Iniciativas privadas que desempenham um papel de analise avançada de dados de utilização dos veículos elétricos nas cidades, comportamento de consumo dos usuários, roteirização inteligente entre outros dados relevantes que contribuem para auxiliar o usuário final, outras empresas de mobilidade e agentes públicos a se locomoverem de forma mais eficiente, encontrar pontos de recarga disponíveis ao seu redor e acessar esses locais de forma simples e prática.

Referência

Em alta, mercado de bikes elétricas prevê mais crescimento até fim de 2020. Disponível em: <https://www.uol.com.br/carros/colunas/pedala/2020/09/01/em-alta-mercado-de-bikes-eletricas-preve-mais-crescimento-ate-fim-de-2020.htm>. Acesso em 04 de setembro de 2020.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *