Diabetes: Quando desconfiar?

Dicas
Por: Marcela
14/12/23

A diabetes é uma doença crônica causada por defeitos na produção ou ação da insulina, resultando em altos níveis de glicose no sangue.


Ad

À medida que passam os anos, a quantidade de indivíduos no mundo que sofrem dessa doença aumenta cada vez mais. Se estima que, na atualidade, mais de 460 milhões de pessoas vivem com a mesma. E em boa parte isso se deve ao estilo de vida, onde o sedentarismo, maus hábitos alimentares, entre outros, podem se tornar fatores de risco.

Por isso, é importantíssimo se manter informado e saber quando desconfiar. Continue lendo e acompanhe em nosso post de hoje tudo o relacionado a diabetes.


Ad

Tipos de diabetes

A diabetes mellitus se trata de uma doença metabólica que se caracteriza principalmente pelos níveis elevados de açúcar no sangue. Dita patologia se classifica principalmente em tipo 1 e tipo 2, no entanto, também é importante mencionar a diabetes gestacional, e a tipo MODY que é muito menos frequente.

Diabetes tipo 1

A diabetes tipo 1 ocorre em apenas 5 a 10% dos casos, sendo causada pela redução ou falta de produção de insulina. Esse tipo de diabetes acontece com maior frequência na infância e adolescência. Mas ao mesmo tempo, pode surgir também em qualquer fase da vida, inclusive em idosos.

Diabetes tipo 2

Já no caso do tipo 2, esta é muito comum, onde o próprio corpo desenvolve resistência à ação da insulina. Ao contrário do que acontece no tipo 1, o tipo 2 pode ser evitado, pois na maioria dos casos está diretamente relacionado aos maus hábitos alimentares, sedentarismo e envelhecimento.

Diabetes gestacional

Essa diabetes se caracteriza pela alteração glicêmica que se manifesta durante a gravidez. O diagnóstico da mesma é de vital importância, por isso toda gestante que não padece dessa doença antes da gestação, deve realizar um teste para avaliar o comportamento da glicemia. Assim como a diabetes tipo 2, os casos da diabetes gestacional tem aumentado bastante nos últimos tempos.

Diabetes tipo MODY

Deste tipo de diabetes se fala pouco já que é bem menos frequente, mas vale a pena mencioná-lo. Se caracteriza pelas alterações genéticas específicas, as quais ocasionam comprometimento da homeostase glicêmica, como falha no reconhecimento da glicemia elevada ou a baixa produção de insulina. Seu diagnóstico pode ser feito através de testes genéticos.

Sintomas da diabetes tipo 1

Na maioria dos casos, a doença se apresenta sem nenhum sintoma aparente, no entanto alguns pacientes podem apresentar certos sintomas, tais como:

  • Boca seca
  • Vontade de urinar com frequência
  • Sede constante
  • Perda de peso sem motivo aparente
  • Feridas que demorar a cicatrizar
  • Formigamento em pernas e pés
  • Fungos nas unhas

Sintomas do diabetes tipo 2

Assim como no tipo 1, na maioria dos casos de diabetes tipo 2, não há sintomas. A não ser que os valores de glicose estejam mais elevados em torno de 200 a 250mg/dL. Nesses casos específicos, o indivíduo pode sentir aumento do apetite, fadiga extrema, sede constante, visão embaçada, irritabilidade, perda de peso, infecções fúngicas de repetição, entre outros.

Vale a pena mencionar que o diagnóstico da doença deve ser realizado o antes possível a fim de evitar sérias complicações de saúde, como doenças cardiovasculares, pé diabetico, problemas nos rins e na retina.

Exames para diabetes

O diagnóstico da doença é feito através de diferentes exames. Ele são:

  • Exame de glicemia
  • Teste de tolerância oral à glicose ou curva glicêmica
  • Hemoglobina glicada
  • Glicemia pós-prandial

Tratamento

De forma geral, já seja para tipo 1 ou 2, normalmente é indicado pelos médicos o uso de medicamentos anti diabéticos, os quais têm a função de diminuir os níveis de açúcar no sangue. Os mais utilizados são: Metformina, Glibenclamida e Gliclazida. Também é indicado aderir a uma dieta alimentar com um especialista que fará ajustes na quantidade de calorias e glicose que deverá ser ingerida diariamente.

Assim como também, na maioria dos casos do tipo 1, os médicos preferem usar insulina, porque o próprio corpo não consegue produzir esse hormônio.

Diabetes tem cura?

Apesar de milhares de estudos realizados e do uso da tecnologia, até os dias atuais ainda não se encontrou uma cura para esta patologia que afeta tantas pessoas no mundo todo. Lembrando que, por se tratar de uma doença crônica, o paciente deve ter um acompanhamento médico adequado ao longo da vida.

Conselhos importantes para prevenir a diabetes

Como foi mencionado anteriormente, o tipo 1 na maioria dos casos se deve ao fator hereditário, enquanto o tipo 2 pode ser prevenido de várias maneiras. Veja algumas delas:

  1. Inclua alimentos ricos em vitaminas, fibras e sais minerais nas refeições. Por exemplo, legumes, frutas e legumes.
  2. Evite o consumo de alimentos industrializados, como refrigerantes, farinha branca e doces.
  3. Mantenha um peso saudável.
  4. Tenha boas noites de sono.
  5. Mastigue bem os alimentos e coma devagar.
  6. Não fique muitas horas sem comer.
  7. Elimine o hábito de fumar.
  8. Evite consumir bebidas alcoólicas.
  9. Pratique alguma atividade física diariamente, como caminhada, ciclismo, dança, entre outras.
  10. Faça avaliações médicas periodicamente.

Lembre-se de que a conscientização e a adoção de medidas preventivas são fundamentais para reduzir o risco e melhorar a qualidade de vida das pessoas com essa condição.

Postado e revisado Marcela Dicas em 14/12/23
Você também pode gostar
Como Melhorar suas Fotos no Celular Como Melhorar suas Fotos no Celular

Não tem nada melhor do que poder eternizar momentos únicos e maravilhosos em fotografias. Ad As fotos […]

Ver mais
Edite sua Foto Grátis: Veja os Melhores Apps Edite sua Foto Grátis: Veja os Melhores Apps

A tecnologia, especialmente por meio de smartphones, facilita diversas atividades em nossas vidas, incluindo a edição de […]

Ver mais
Melhore a Qualidade do Sono Com Essas Dicas Para “Desligar o Cérebro” Melhore a Qualidade do Sono Com Essas Dicas Para “Desligar o Cérebro”

Melhore a qualidade do sono com essas dicas para “desligar o cérebro”. Se depois de um longo […]

Ver mais